sexta-feira, 24 de maio de 2013

MANEJO E CONTROLE DE MORCEGOS EM ÁREAS URBANAS


Os morcegos são animais silvestres que se adaptaram muito bem as áreas urbanas, devido à grande oferta de abrigos e alimentos. No Rio Grande do Sul já foram detectadas aproximadamente 40 espécies de morcegos, os quais se alimentam de diferentes recursos: frutos, pólen, néctar, folhas, peixes, pequenos vertebrados (anfíbios, répteis, aves, roedores), insetos e, sangue.


A maior parte das espécies que vivem ou utilizam recursos do ecossistema urbano possuem hábitos alimentares insetívoros, formando colônias que podem chegar a centenas e/ou milhares de animais. A iluminação pública serve como atrativo para insetos e as construções (casas, prédios) tem telhados que funcionam como excelentes refúgios para procriação.

Outro grupo de morcegos que explora as áreas urbanizadas são aqueles que se alimentam de partes de plantas (pólen, néctar e frutos) comuns na arborização urbana, tais como a figueira, o jambolão, a goiabeira, a nespereira, entre outras.

Os problemas mais comumente relatados pela presença dos morcegos podem ser subdivididos pelo hábito alimentar dos morcegos: morcegos frugívoros e morcegos insetívoros.

       Morcegos frugívoros – realizam vôos rasantes quando buscam alimento junto a árvores, assustando pessoas desatentas que, por sua vez, acreditam que estes animais estejam realizam algum tipo de “ataque”. Isto não é verdadeiro, pois os morcegos costumam realizar manobras em pleno vôo para capturar os frutos e flores mais atrativos da planta. Outro problema é a “sujeira” ocasionada por estes animais que, durante o vôo defecam e quando próximos a construções e veículos estacionados acabam por sujá-los desta maneira.

       Morcegos insetívoros – diante do medo, fantasias e mitos, muitas pessoas relatam que os ruídos (barulho) produzidos pelos animais causam desconforto. Outra reclamação é referente ao forte e desagradável odor que se estabelece, principalmente em telhados com grandes colônias, devido ao acúmulo de fezes e também ao cheiro característico produzido por glândulas especiais localizadas na região do pescoço. Entretanto, acredito que o que mais causa pânico na população é o adentramento ocasional em residências. Isto ocorre porque muitas vezes o animal se perde em sua trajetória até o abrigo e acaba por adentrar a residência inadvertidamente. 



Como desalojar uma colônia de morcegos no meu telhado? Qual o melhor método a ser utilizado?

Atualmente, diversos tipos de produtos químicos e sonoros têm sido utilizados para afugentar morcegos de telhados e por pessoas sem qualquer tipo de instrução e qualificação, ocasionando riscos a saúde da população e do morador local. Entre as muitas ações que NÃO solucionam os problemas estão o uso de “passarinheiras”,  gel repelente, repelente eletrônico, lâmpadas, telhas de vidro, entre outras receitas caseiras.

Passaremos a descrever um pouco mais sobre cada um destes métodos e seus problemas

   ü  “Passarinheiras” – como o próprio nome diz serve para impedir a entrada de aves (passeriformes) nos telhados. Os morcegos, geralmente, utilizam como porta de entrada a cumeeira e laterais dos telhados e a parte frontal do mesmo.

ü  Uso de gel repelente – apesar de ser atóxico como afirmado na bula do produto, os morcegos acabam morrendo asfixiados com o mesmo ao tentar removê-lo da pelagem. Isto é, ao utilizar um produto como este estamos matando animais silvestres de forma cruel, o que pela legislação ambiental brasileira é passível de multa e prisão (Lei Federal 9.605/98 – Lei de Crimes Ambientais).

ü  Repelente eletrônico – emitem sinais sonoros em diferentes freqüências, porém os morcegos acabam por se acostumar aos mesmos, ou ainda, apenas se mudam para outro ponto de descanso no refúgio.


ü  Telhas de vidro e uso de lâmpadas – a iluminação normalmente produzida é baixa e não afeta o comportamento dos animais que, por vezes, apenas se mudam para outro recanto do abrigo.


Como resolver estes problemas? Quais soluções as verdadeiras soluções?

Morcegos e plantas

Para evitar a visita indesejada de morcegos frugívoros existe a necessidade de se fazer um manejo em plantas que atraem os morcegos, além do correto planejamento da ARBORIZAÇÃO URBANA. 

Sugerimos os seguintes procedimentos:
ü  Poda de galhos;
ü  Remoção de flores e frutos;
ü  Substituição por outras espécies que não frutíferas atrativas.


Morcegos e abrigos (telhados)

O que precisamos fazer é evitar que os morcegos se alojem em nossos telhados, janelas, paredes e outros. Para isto é fundamental que todas as frestas e possíveis entradas dos telhados sejam bloqueadas/fechadas com cimento ou telas metálicas finas, ou seja, materiais duráveis. Nos telhados, os morcegos dão preferência por permanecer próximos a cumeeira, onde se escondem  e protegem entre pequenos vãos entre as madeiras, tijolos e telhas.

Siga os seguintes passos:

ü  Observar ao final da tarde e/ou anoitecer os locais por onde saem os animais;
ü  Na noite seguinte abra o telhado nestas regiões e deixe que os morcegos saiam sem problemas, após a saída dos mesmos vede com panos, jornais, lonas, telas ou outros produtos semelhantes para impedir seu retorno ao abrigo. Repita esta operação durante duas ou três noites consecutivas e vede definitivamente os pontos de entrada (pode ser com telas metálicas ou outros materiais). Além disto, podemos ainda vedar rapidamente as entradas, deixando apenas uma saída onde instalamos um “funil com lona plástica”, deixando que os animais saiam do abrigo, mas que não consigam retornar ao mesmo. Este tipo de “armadilha” pode-se deixar instalado por alguns dias até certificar que todos os morcegos tenham deixado o telhado, para então fecharmos definitivamente as entradas com material permanente (cimento, telas metálicas, outros).
ü  Realizar a limpeza dos restos fecais mediante o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI´s) (luvas de borracha, botas, máscaras). É interessante aspergir uma mistura (1:1) de água e hipoclorito de sódio (água sanitária) sobre as fezes no momento de removê-las para impedir a formação de poeira e inalação de fungos (Histoplasma capsulatum).

OBS.: usar sempre Equipamentos de Proteção Individual (EPI´s) – máscaras, luvas de couro, botas de borracha



DICAS

Afugentamento de morcegos

1.       Instalação de exaustores de ar. Existem relatos de que a simples modificação da temperatura e circulação de ar no abrigo pode afugentar grandes colônias de morcegos. A instalação de exaustores de ar é suficiente para causar desconforto aos animais de tal ponto que os mesmos abandonam o local.



2.       Instalação de placas metálica abaixo do telhado. Outra ação que temos visto como funcional é a instalação de placas metálicas abaixo das telhas, impedindo que os morcegos tenham acesso ao forro e as madeiras de sustentação do telhado, o que evita a aglomeração de indivíduos. Este processo realmente é mais trabalhoso e de maior custo, mas é a solução definitiva para impedir a instalação de grandes colônias de morcegos em telhados.





Consulte um especialista! Consulte um Biólogo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário